domingo, 18 de setembro de 2011

Sucre / BO


Chegamos em Sucre no meio da madruga, o taxista nos levou em um hostel perto do Plaza de armas e tivemos que acordar o recepcionista que dormia atrás do balcão em uma cama improvisada, tinha sido um dia muito longo, e foi um enorme prazer chegar em uma cidade tão bela, se comparava com La Paz em beleza e historicidade.

Sucre foi a primeira capital da Bolívia e atualmente é a capital constitucional e judicial enquanto todo governo administrativo fica em La Paz. Passamos dois dias em Sucre, nossa principal atividade foi conhecer a cidade, economizar dinheiro para voltar pra casa e descansar.



Sucre apresenta uma das mais famosas Universidades da Bolívia, uma cidade com uma grande quantidade de jovens, também tem um comercio alternativo de prata, no qual eu comprei um pingente por 35 Bol. menos de 10 reais.


Passávamos boa parte do tempo no Plaza, conversando, tirando fotos, circulando e conhecendo as redondezas, achamos até um atacante brasileiro sub-05[FOTO]


Comemos em lugares ótimos e nos impressionamos, não esperávamos encontrar uma cidade tão bem preparada. com a escarces do dinheiro, fomos diminuindo muito a qualidade de nossas refeições e evitamos muitos lugares legais, demos mais prioridade a pão e mortadela dos mercados e nachos bolivianos, começamos a buscar lugares mais populares, lugares que os bolivianos fazem suas refeições, encontramos então, uma especie de feira, cheia de barraquinhas montadas, cada uma servia uma coisa, cachorro-quente, carne, comidas de todos os tipos.[FOTO]


Soubemos que havia algumas atrações para turistas na cidade, coisas relacionadas a parques arqueológicos de dinossauros[FOTO], mas depois de 25 dias de viagem por lugares maravilhosos, pouca coisa nos impressionava, e preferimos nos concentrar na volta pra casa.


Seguimos no segundo dia pela manhã para a rodoviária de Sucre afim de comprar nossas passagens para Santa Cruz de La Sierra, e não fazíamos ideia de onde era, pegamos então um coletivo, enfrentamos um transito horrível e por fim conseguimos, de informação em informação.


Uma rodoviária precária e muito diferente do resto da cidade, pelo menos o resto que estávamos convivendo, a rodoviária ficava longe do Plaza de armas e eu percebia que assim como todo lugar o pobre subúrbio estava ali, logo atrás da beleza do lugar. nas calçadas Cholas com suas crianças e muitos ambulantes vendendo coisas e alimentos, um deles me chamou a atenção, vendia um pequeno copinho de gelatina com um único biscoito Cream Cracker enfiado nela por 50 Cent. 


Os ônibus eram precários, muito precários, e já que não tínhamos dinheiro, então optamos pelo mais barato, ressaltando - o ônibus mais barato dentre os piores de uma cidade boliviana - assim se formou uma historia que vou contar no próximo post.








Um comentário:

  1. show de bola...viajar sempre eh bom demais!!!

    ResponderExcluir

...e entrar para a história