sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Aguas Calientes / Cusco - Feliz Navidad




Rio Urubamba - Principal fonte de Água dos Incas

Após chegarmos em Aguas Calientes, completamente desgastados e em trapos, corpo não aguentava mais nada, foram 2 horas de escadarias, e um dia inteiro andando, subindo e descendo ruínas sagradas.

Fomos então em busca de um lugar para comer, era a maior necessidade, chegamos a um de razoável preço, 15 soles, ficamos ali, e se não fosse nossa cega fome não teríamos ficado. Como entrada uma tradicional sopa, só que desta vez não estava como de costume, parecia que a agua utilizada era a do pacifico, muito, mas muito sal mesmo, passou-se uma hora e só o que tínhamos era a rejeitada sopa que não durou junto de nós mais que 3 ou 4 colheradas, o prato principal, uma macarronada, não chegava, e fui um dos poucos que não resistiu a fome e chegou perto do fim da sopa. Comemos sem nem parar para saborear o prato principal e rejeitamos a sobremesa por precaução, tudo isso se passou enquanto assistíamos um jovem de 13 talvez 14 anos preparando uma pizza para outros clientes, pizza a lenha, mas não havia lenha, ele usava, papelão, plástico, e tudo que encontrava disponível, imaginamos logo o sabor da bela pizza.
A partir dai passamos em uma freirinha de roupas e artesanatos e compramos o necessário para chegar em Cusco, uma meia nova, a minha já estava desintegrada, uma calça em bom estado, de pano e listrada, parecia um pijama mas foi muito útil.

Seguimos para o indispensável ponto de parada de Aguas Calientes: As Aguas Calientes.[FOTO]

Enxofre! Cheiro de Enxofre tinha a água, contudo foi essencial para relaxar nossos músculos, não era muito forte, as aguas termais são aguas vulcânicas por isso esse cheiro, havia no local 4 piscinas, alugamos toalhas e  no meio dos branquelos gringos relaxamos nas aguas calientes.
Estavamos regenerados e prontos para pegar o trem em direção a Ollaytaitambo e dar um jeito de chegar a Cusco antes das 00h - RÉVEILLON

Seguimos para a estação de trem e esperamos o Trem Chegar, eram cerca de 6h da tarde, talvez um pouco menos, o trem que nos levaria a Ollay chegaria às 7h.

Enquanto isso nos destruímos com as lindas crianças da região, Gabriel, um capixaba que estava entre nós colocou sua touca no chão e com bolinhas de malabarismo fez o tempo passar mais rápido do que imaginávamos.

Nós participávamos jogando moedas na touca, as quais sumiam quando as crianças se aproximavam.


Partimos então com destino a Ollay, biscoitos e suco de laranja bem servidos no trem. Chegamos com a esperança de encontrar uma van que nos levássemos a Cusco antes da virada do ano. Tínhamos a informação de que haveria vans entre 8:30h e 9h pegando pessoas no desembarque do trem e levando a Cusco. Chegamos as 8:30h - pontualidade, não estávamos acostumados, pegamos a van por 15 soles e chegamos em Cusco as 10h, todos estavam muito cansados, alguns conseguiram dormir nessa breve viagem, mas para mim parecia uma eternidade, não grudei os olhos e a todo momento tinha o reflexo de pisar mais firme no chão, o carro ia muito rápido e o motorista conseguiu em 30 minutos anular todas as leis de transito possíveis e universais. Ah, e estava chovendo.

A Chuva tomou conta de Cusco, chuva forte e passageira de verão, voltamos ao Hostel Aylu Real, o que havíamos nos hospedado antes, banho e fomos pra rua, ver o famoso Réveillon Cusqueinho.

(Click na foto para ampliar)
Aqui passamos o Réveillon
PLAZA DE ARMAS de CUSCO.

Havia milhares de pessoas de todos os tipos e lugares do mundo, todos encantados com Cusco, A bela cidade colonial de Cusco, primeira capital peruana, uma das cidades que realmente daria pra passar um tempo, viver...
O Réveillon em Cusco é coberto de cultura, Peças teatrais, apresentações de danças incas, todos a caráter em plena praça de armas, reproduzem os sacrifícios e as adoração aos antigos deuses Incas, mostrando um pouco da forma de vida que seus antepassados lhes deixaram como herança, com imagens em cor de ouro do Condor, da Pulma, e da Serpente, animais sagrados para os Incas.


As 00:00 horas só se ouvia fogos, todos começaram a correr e, seguindo a tradição, deram voltas ao redor do Plaza de Armas, eu que não sou muito fã de fogos de artifícios preferi assistir o espetaculo da periferia.
Por fim voltamos ao hostel, iríamos seguir viagem no dia seguinte para Ica, e todos que conhecemos no caminho iriam por outro caminho, pensamos que talvez não os encontrássemos mais, nos despedimos e seguimos para Ica...